ST 10- Práticas corporais do mundo dançado

Dra. Maria Fonseca Falkembach (UFPEL)

Dr. Cláudio Baptista Carle (UFPEL)

 RESUMO

Propomos um encontro de estudo sobre práticas corporais que possa conjugar perspectivas, tais como a da antropologia da dança (CAMARGO, 2013), dos estudos da performance (SCHECHNER, 2003), do imaginário (DURAND, 1996; 2012) e dos estudos da presença (ICLE, 2011). Um encontro para cruzar nossas práticas, cruzar perspectivas de estudo com o intuito de abrir o campo. Pensar sobre o que fazemos, sobre o que se faz, buscando desconfiar ou suspender certas categorizações e conceituações para que possamos escutar-nos e criar. Momento para trazer nossas referências bibliográficas como matéria para ser jogada e dançada. O que instala um corpo que dança? O que é um corpo que dança? O simpósio investe também em proporcionar espaço de dança, no qual seja possível ativar essas questões a partir da experiência efêmera do corpo e viver a simultaneidade de possíveis noções: corpos musicais, corpos artísticos, corpos místicos, corpos sociais, corpos potência, corpos saberes, corpos dançantes. Propomos um encontro que possa discutir diferentes poéticas, ligadas a diversos contingentes culturais. Temos interesse em tratar do fenômeno por via de uma dimensão de conhecimento que escapa das inúmeras perspectivas de conceituação e interpretação (GUMBRECHT, 2010; BACHELARD, 1988) e, ao mesmo tempo, por via do estudo da simbólica (Cassirer, 1968), que envolve as linguagens corpóreas míticas (Cassirer, 1992). Intencionamos estudar a dança como fenômeno que ocorre na interação entre aquele que dança e aquele que observa – como sortilégio, como manifestação de entes encantados, como experiência estética e poética, como prática que se instala como momento de vida e que escapa à descrição.

Palavras-chave: dança; corpo; imaginário; presença

Corporal practices of the danced world

ABSTRACT

The propose of this symposium is to offer a meeting to discuss the study of corporal practices that combine different points of view, such as dance anthropology (CAMARGO, 2013), performance studies (SCHECHNER, 2003), anthropological structures of imaginary (DURAND, 1996, 2012), and presence studies (ICLE, 2011). The primary intention is to promote the exchange of practices and points of view with the aim of opening the theoretical field of dance. The meeting proposes a reflection on what we do and what people do, trying to distrust or suspend categorizations and conceptualizations in a way that we can listen to ourselves and create. The event is a strategy to bring our theoretical framework as a matter to be played and danced. What a dancing body produces? What is a dancing body? The symposium also provides space to dance, allowing reflection on these questions through dance. In other words, the ephemeral experiences of the body enable to live the simultaneity of diverse possible notions: musical bodies, artistic bodies, mystical bodies, social bodies, power bodies, and dancing bodies. We propose a meeting that can discuss different poetics, linked to various cultural contingents. We are interested in dealing with the phenomenon through a dimension of knowledge that escapes from the conceptualization and interpretation (GUMBRECHT, 2010; BACHELARD, 1988) and, at the same time, through the study of the symbolic forms (Cassirer, 1968), involving mythical corporeal languages (Cassirer, 1992). We intend to study dance as a phenomenon that occurs in the interaction between the one who dances and the one who observes. Dancing is such as sorcery, such as a manifestation of enchanted beings, as well as aesthetic and poetic experiences; a practice that establishes itself as a moment of life and that escapes description.

 Keyword: dance; body; imaginary; presence