Programação II EHM

PROGRAMAÇÃO GERAL

II ENCONTRO HUMANÍSTICO MULTIDISCIPLINAR

I CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS HUMANÍSTICOS MULTIDISCIPLINARES

“Epistemologias de Fronteiras: Sociedade, Políticas Públicas e Decolonialidades”

10, 11 e 12 de novembro de 2016

Universidade Federal do Pampa, Jaguarão/RS – Brasil

 

Data: 10/11 Quinta

07:30 – Credenciamento

08:00 às 11:30 – Grupos de Trabalhos simultâneos (apresentação de trabalhos)

13:00 às 15:00 – Mesa Redonda: Políticas Públicas Patrimoniais nas Fronteiras do Mercosul

Componente 1: Dra. Ana María Sosa González (UNILASALLE)

Componente 3: Dra. Rita Juliana Soares Poloni (UFPEL)

15:00 às 17:30 – Minicursos e Oficinas

19:00 às 19:30 – Mesa de Abertura

19:30 às 21:00 – Conferência Magna de Abertura: “A perspectiva da Colonialidade do Poder: releitura da história, centralidade da raça e exacerbação do patriarcado colonial-moderno”

Conferencista: Dra. Rita Laura Segato (Universidade de Brasília e pesquisadora A1 do CNPQ)

Resumo:  A conferência passará revista aos temas centrais da perspectiva teórica conhecida como “colonialidade do poder”, formulada inicialmente por Aníbal Quijano, e mostrará como, a partir da mesma, a raça e o patriarcado leem-se sob nova luz.

Data: 11/11 Sexta

07:30 – Credenciamento

08:00 às 11:30 – Grupos de Trabalhos simultâneos (apresentação de trabalhos)

15:00 às 17:30 – Minicursos e Oficinas

17:30 às 19:00- Lançamento de livros

19:30 às 21:30 – Mesa Redonda: Políticas de Fronteiras: Interdisciplinaridade e a produção política do conhecimento

Componente 1: Dra. Verônica Texeira Marques (UNIT)

Componente 2: Dr. Thomás Josué Silva (Unipampa)

21:30 – Atividade Cultural

Data: 12/11 Sábado

08:00 – Credenciamento

08:30 às 11:30 – Grupos de Trabalhos simultâneos (apresentação de trabalhos)

13:00 às 15:00 – Conferência Especial: “Direitos Humanos e cidadania decolonial”

Conferencista: Dr. Djalma Thürler (Universidade Federal da Bahia)

Resumo:

15:00 às 17:00 – Conferência de Encerramento: “A produção da não-existência na colonialidade e a escrita decolonial da vida.”

Conferencista: Dr. Marcio Caetano (Universidade Federal do Rio Grande)

Resumo: Se, por um lado, somos seres afetados pelas práticas discursivas que buscam nos moldar e configurar dentro das normatizações, também não somos idênticos/as àquilo que a hegemonia busca projetar sobre nós. Existem diversos discursos e engendradas estruturas de subjetivação buscando, a todo tempo, conformar os mundos de vida. Nesta lógica de subjetivação, se o modelo binário de homem e mulher tem em seu cerne a branquitude, a heterossexualidade e a lógica burguesa, são estas os parâmetros em que devemos nos espelhar e aproximar. Este seria o indivíduo–projeto ideal. Sendo assim, haveria possibilidade para projeções alternativas, ou, especificamente, fora da lógica de produção de subalternidade?