Grupos de Trabalhos II EHM

[GT-01]  Cultura, Política e Integração em Contextos Pós-Coloniais
Ementa: O objetivo da proposta é mostrar os mecanismos que o Estado nacional, diretamente relacionado ao sistema-mundo capitalista, desenvolveu ao longo dos séculos XIX e XX para controlar os processos socioeconômicos, políticos e culturais, por meio da invenção das categorias cultura, democracia e cidadania. Democracia e cidadania que, na teoria, tal como aparece no conceito de Bobbio (2000) não seria aplicada a pessoas, comunidades e etnias não brancas; destacamos o papel das ciências sociais, especialmente da antropologia, como aliadas do colonialismo na África, na Ásia, Austrália e Oceania e do Estado nacional latino-americano. Nesses continentes, foi de vital importância para a administração colonial conhecer povos e comunidades diferentes para explorar da melhor forma possível; na América Latina, o conceito de cultura foi importante para o Estado nacional tentar homogeneizar a nação; mergulhar nas culturas para poder vigiar e transforma-las em mestiças ou camponesas; trabalho de governos, centros de inteligência, fundações, historiadores e antropólogos
Coordenadores: Dra. Senilde Alcantara Guanaes (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) e Dr. Gerson Ledezma Meneses (Universidade Federal da Integração Latino-Americana).

 

Data: 11/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: Videoconferência


[GT-02] Políticas Públicas de Memória e Patrimônio no Mercosul
Ementa: As contribuições que se esperam para esse GT poderão abordar o histórico das políticas públicas do patrimônio tanto no Brasil quanto na região do Mercosul, problematizando contextos e situações que estabelecem relações com a contemporaneidade. Instituições de patrimônio, legislações nacionais, documentos patrimoniais, patrimônios de fronteira, gestão compartilhada e quadros nacionais. Políticas de memória e esquecimento nos quadros nacionais de pós-ditadura. Se espera que esses eixos temáticos sejam ilustrados com estudos de caso do Brasil ou da região.
Coordenadoras: Dra. Ana María Sosa Gonzáles (Centro Universitário La Salle)  e Dra.Rita Juliana Soares Poloni (Universidade Federal de Pelotas)

 

Data: 10/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 307


[GT-03] Formação Acadêmica, Educação e Sociedade
Ementa:  O grupo de trabalho visa discutir a educação sob múltiplos aspectos, compreendendo as políticas públicas, universidade, práticas educacionais, imaginário social, história e memória. Será dado especial relevo as práticas dos programas complementares na formação acadêmica. Trabalhos de ensino, pesquisa e extensão que dialoguem sobre novas perspectivas nas Ciências humanas, bem como o Programa de Educação Tutorial – PET e o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID, o Programa Idiomas sem Fronteiras – IsF, pensando como esses atuam e de que forma contribuem na formação educacional.
Coordenadores: Dra. Ana Cristina da Silva Rodrigues (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão) Me. Everton Fêrrêr de Oliveira (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão)

 

Data: 10/11/2016 – 11/11/2016 – 12/11/2016  

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 311 e 312

 


[GT-05] Estudos de Gênero, Feminismo e Sexualidades
Ementa: Este grupo de trabalho propõe a discussão a partir de resultados de pesquisas teóricas e empíricas baseadas em expectativas multidisciplinares em relações de gênero, feminismo, e sexualidades, do ponto de vista de sociabilidade, contextos e significados em que elas se tecem e se modificam no espaço/tempo através dos delimitadores de diferenças socioculturais.
Coordenadores: Dra Raquel Pereira Quadrado (Universidade Federal do Rio Grande)  e Dr. Marcio Caetano (Universidade Federal do Rio Grande).

 

Data: 11/11/2016 – 12/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 303

 


[GT-06] Cultura, Fronteira e Relações Internacionais 
Ementa: Este grupo visa trabalhar discussões contemporâneas que envolvem questões culturais tais como: Identidade, etnia, território, diáspora, nação, fronteira, migração, hibridismo, interculturalidade e cultura popular. Trazendo como exemplo a ideia do filósofo português Antonio Pinto Ribeiro de: “ é preciso aprender a construir com o outro. ” Umas das falências do multiculturalismo têm a ver com essa convicção de que bastava as pessoas estarem juntas para que a sociedade se alterasse. ” (RIBEIRO, 2011). Segundo esse intelectual não basta apenas reunir os diferentes é preciso um projeto político, por isso, a interculturalidade que é nos nossos dias um conceito tão debatido será o vértice das discussões deste GT.
Coordenadores:  Dra. Maria de Fátima Bento Ribeiro (Universidade Federal de Pelotas)  Ma. Ângela Mara Bento Ribeiro (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão), Ma. Cristiane Bartz de Ávila (Universidade Federal de Pelotas) e Ma. Naiara Souza da Silva (Universidade Católica de Pelotas).

 

Data: 10/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 304


[GT-07]  Comunicação, Cultura e Conhecimento Científico em Processos Decoloniais
Ementa:  Tendo em vista a perpspectiva aberta pelas chamadas "epistemologias do sul" e o caráter fundamental do conhecimento científico no estabelecimento de relações de poder, a proposta do grupo de trabalho é investigar e debater multidisciplinarmente os processos alternativos ou contra-hegemônicos utilizados na interface ciência-tecnologia- sociedade- inovação, tendo como focos de atenção, a comunicação e a cultura. Neste sentido, propomos a superação de conceitos como alfabetização ou divulgação científica, para englobar processos que tenham em conta uma reordenação do conhecimento científico, além da racionalidade moderna e que se baseiem em novas propostas epistêmicas e na dimensão da interculturalidade e da identidade como campo de pesquisa. Partimos portanto dos modelos de comunicação pública da ciência e da tecnologia que englobam a perspectiva da participação cidadã e do reconhecimento do conhecimento nativo (deferimento). Neste sentido, destacamos: 1. a folkcomunicação, com seus estudos e pesquisas sobre as relações e tensões sociais contemporâneas, com ênfase nas políticas e mobilizações em torno das diferenças (culturais, étnicas, de gênero, de raça, de classe, de sexualidade, dentre outras); 2. segmentos sociais alijados de direitos, culturais, políticos e de cidadania; 3. setores públicos, em suas relações com as demandas sociais no campo da segurança pública, educação e qualidade de vida. 4. a saúde e temas relevantes como os direitos sexuais e reprodutivos, a saúde da mulher e dos grupos LGBTT, a saúde pública e outros que possam ser debatidos na perspectiva dos estudos das classes subalternas.
Coordenadores: Dra. Betânia Maciel (Faculdade Integrada de Pernambuco)  e Dr. Marcos Ely Andrade (Faculdade Integrada de Pernambuco)

 

Data: 11/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 304


[GT-08] Alteridades, Interseccionalidades e Educação
Ementa: Contemporaneamente percebe-se cada vez mais o recrudescimento de práticas sociais discriminatórias oriundas do encontro entre diferenças. As alteridades, interseccionalmente constituídas pelos mais diversos marcadores sociais, tem sido alvo de antagonismos, hierarquias e desigualdades. No âmbito da Educação formal, estas tensões têm encontrado um dos seus principais focos de ação. Destacamos, como um eloquente exemplo, os intensos debates em torno dos Planos de Educação, que tem tomado as questões de gênero e de sexualidade como o seu principal alvo. Entretanto, a visibilidade dos ataques em torno destes dois marcadores da diferença tem escamoteado ofensivas também acerca de questões étnicas, raciais, geracionais e religiosas, que nos parecem apontar para um processo mais amplo de transformações nos marcos civilizatórios. Frente a este cenário, entendemos como necessário compreender mais profundamente este novo contexto. Para tanto, este Grupo pretende reunir trabalhos que problematizem as relações entre alteridades, suas interseccionalidades (gênero, sexualidade, raça, etnia, geração, classe, religiosidade, entre outras) e seus efeitos nas práticas educacionais, sejam elas formais ou não. Objetiva aprofundar reflexões e a produção de conhecimento sobre as características, os mecanismos, visões de mundo e os universos de significação, constitutivos destes novos cenários em que as diferenças se antagonizavam. Além disto, visa, também, constituir uma rede de pesquisadoras/es em torno destas questões de maneira a consolidar a produção de conhecimento acerca da constituição dos sujeitos e das práticas sociais considerando os marcadores sociais da diferença e suas interseccionalidades. Serão acolhidos trabalhos (projetos de pesquisa, projetos de intervenção, relatos de experiência) que se valham de abordagens qualitativas de pesquisa, tais como etnografias, estudos de caso, investigação narrativa, grupos focais, etc.
Coordenadoras: Dra. Alinne de Lima Bonetti (Universidade Federal do Pampa – Campus Uruguaiana) e Dra. Fabiane Ferreira da Silva (Universidade Federal do Pampa – Campus Uruguaiana)

 

Data: 12/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 304


[GT-09] Povos Indígenas, Fronteiras e Processos Históricos, Jurídicos e Antropológicos
Ementa:  Discutir a situação e os processos étnicos, históricos e jurídicos dos povos indígenas em faixa de fronteira, aspectos culturais, territoriais, espirituais e subjetivos, com enfoque nas fronteiras do norte, oeste e sul. Verificar o conflito étnico do povo Guarani e Kaiowá na fronteira com Paraguai, o impacto do agronegócio e a luta e resistência pelo Tekoha e Aty Guasú. Também o ressurgimento do povo Charrua no Uruguai e Rio Grande do Sul, mas especificamente em Tacuarembó e Porto Alegre. Analisar, ainda, a situação dos povos Makuxi, Taurepang, Wapixana e Ingarikó, habitantes da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, bem como suas relações com os parentes do outro lado da fronteira com a Venezuela, procurando salientar os problemas que enfrentaram durante o processo de demarcação da TI e as expectativas com relação ao futuro, uma vez que algumas ameaças ainda pairam sobre estes povos, tais como, as condicionantes do Supremo Tribunal Federal, que abriram espaço para outros sujeitos participarem de novos processos de demarcação e a possível permissão para a mineração em TI, a ser discutida no Congresso Nacional brasileiro.
Coordenadores: Dr. Antônio José Guimarães Brito (Universidade Federal do Pampa  – Campus Santana do Livramento)  e Dr. Victor Hugo Veppo Burgardt (Universidade Federal do Pampa – Campus Santana do Livramento)

 

Data: 11/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 303


[GT-11] Ensino de línguas e a construção de identidades
Ementa:  Este grupo de trabalho tem por objetivo discutir/dialogar em torno dos efeitos de aprendizagem e na construção de identidades dos sujeitos, quando do ensino de uma língua materna, segunda língua, língua estrangeira, ensino do português como LE, em espaços escolares e não escolares. Para isso, propomos abrir um espaço para que professores da rede básica de ensino, acadêmicos em atividades de estágio obrigatório ou não, bolsistas de programas PET, PIBID e outros atores envolvidos com o ensino de línguas possam socializar suas práticas educativas e delas trazerem reflexões sobre o seu significado na construção do conhecimento e na formação de identidades híbridas.
Coordenadores:  Dra. Ida Maria Marins (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão) e Dra. Luciana Contreira Domingo (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão)

 

Data: 12/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 206


[GT-12] Fronteiras: Olhares e Perspectivas Sobre o Desenvolvimento
Ementa: O grupo de trabalho se propõe a abrigar trabalhos que envolvam a discussão sobre a fronteira como um espaço de contato entre perspectivas diferentes de desenvolvimento envolvendo Estados e sociedades. Parte-se da perspectiva da interdisciplinaridade, ou seja, do espaço fronteiriço como contendo em sua complexidade aspectos históricos, sócio-políticos, geográficos, econômicos, culturais e educacionais. Desta forma, deve-se abranger não apenas aspectos teóricos atinentes aos temas em questão, mas também aqueles que envolvam estudos de caso. Leva-se em conta que a América Latina é um espaço particular, tanto por sua posição periférica, porém autônoma no cenário mundial, quanto pelas disparidades de desenvolvimento entre seus países. Argumenta-se que a região tem a tarefa de desenvolver uma olhar autônomo sobre si mesma e de estabelecer diálogo com conceitos e perspectivas formuladas alhures, ou seja, rever sua dependência em aspecto amplo, tanto conceitual como prático e assim pensar e propor formas de desenvolvimento que não apenas absorvam o que de melhor se produziu alhures e internamente como discutir e problematizar o papel, os interesses e as propostas das comunidades locais.
Coordenadores: Dra. Carmen Luz Rivas de Martinez (Universidad Nacional de Itapúa/Paraguai)  Dr. Guillermo Alfredo Johnson (Universidade Federal da Grande Dourados) Dr. Gustavo Biasoli Alves (Universidade Estadual do Oeste do Paraná)  e Dr. Valdir Gregory (Universidade Estadual do Oeste do Paraná)

 

Data: 12/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 305


[GT-14] História, Memória e Identidades
Ementa: O objetivo é estabelecer aproximações entre a história, Memoria e Identidade elementos importantes na compreensão das sociedades de Fronteiras. As relações de poder instituída ao longo do tempo pelas Elites alteraram as relações entre estado e sociedade estabelecendo um novo contexto social nestas regiões. As Políticas Públicas em regiões de fronteiras necessitam de uma melhor compreensão da realidade social para isto é importante congregar nestas discussões os diferentes saberes de todas as áreas do conhecimento.
Coordenadores: Dr. Ronaldo Bernardino Colvero (Universidade Federal do Pampa – Campus São Borja)  Me. Alan Dutra de Melo (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão)

 

Data: 10/11/2016 – 11/11/2016 – 12/11/2016 

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 306


[GT-15] Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA) e Educação para as Relações Étnico-raciais e Movimentos Sociais
Ementa:  Na fronteira, a interculturalidade é a base das relações do estar com o outro, de estar em outro país, de estar em contato com o diferente. Então, no âmbito dos estudos humanísticos multidisciplinares, este grupo de trabalho propõe a discussão da interculturalidade na Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJA) e na Educação para as Relações Étnico-raciais e Movimentos Sociais. Com base em resultados de pesquisas dos/as coordenadores/as, o GT buscará refletir sobre o papel pedagógico da comunidade escolar fronteiriça na promoção da cidadania de indígenas, quilombolas, afrodescendentes, jovens, adultos, idosos e latino-americanos na diversidade. O GT fundamenta-se no ponto de vista da sociabilidade, quando múltiplas cidadanias revelam que o reconhecimento do “outro” é a melhor maneira de extinguir preconceitos e discriminações, principalmente após a promulgação das leis brasileiras 10.639/03 e 11.645/08, que incluem as culturas e histórias afro-indígenas no ensino nacional. Destaca-se que a escola e os espaços de educação são ambientes potencialmente capazes de reduzir as disparidades entre os seres humanos. Por fim visa-se também, por meio desse grupo de trabalho, fomentar a interdisciplinaridade e propiciar a troca de saberes com diferentes pesquisadores/as.
Coordenadores: Dra. Simone Silva Alves (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão) Dra. Sátira Pereira Machado (Universidade Federal do Pampa  – Campus Jaguarão)  Me. Everton Fêrrêr de Oliveira (Universidade Federal do Pampa – Campus Jaguarão) e Ma. Juliana Silva dos Santos (Universidade Federal do Pampa- Campus Jaguarão).

 

Data: 10/11/2016

Horário: 08:00 às 11:30

Sala: 305