12/05/2020

Pensar com os pés no chão: o respeito à alteridade epistemológica como caminho de libertação

Diante da conjuntura atual de ataque ao desenvolvimento das ciências humanas e sua contribuição no campo científico e social, visamos lançar luzes de reflexão demonstrando diálogos com a sociedade no que tange à educação, política e bem-estar. Para tanto, pensar a partir de uma perspectiva transdisciplinar e descolonial é re-pensar caminhos do conhecimento na América Latina.

Desta forma, a proposta consiste em apresentar o pensamento de(s)colonial em como forma de diálogo e de construção de conhecimento na América Latina desprendendo-se da hegemonia eurocêntrica. Pretende-se num primeiro momento construir a reflexão acerca da genealogia do termo “de(s)colonial” e suas diferenças etimológicas para então identificarmos as possíveis influências desse modelo de pensamento nas demais áreas do saber.

Objetivo:

Objetiva-se introduzir os alunos ao pensamento Latino-Americano em uma perspectiva descolonial. Nesse sentido, provocar o pensamento crítico em relação ao modo como compreendemos os aspectos de nossa própria cultura e o modo como vivemos em sociedade, o que decorre, por sua vez, da necessidade de se apresentar novas epistemologias, ou seja, o esforço de re-pensar o conhecimento na América Latina, não sob a ótica do colonizador, mas a partir de métodos próprios que correspondam às suas próprias necessidades históricas, possibilitando, deste modo, novas formas de vida.

Destinatários:

Se dirige à pessoas graduadas em qualquer área que queiram apropriar-se de sua cultura e pensar de forma autônoma com criticidade, possibilitando assim, intervenção prática qualitativa, diferenciada em qualquer dimensão do fazer.

Docente:

Profa.  Ma. Chryslen Mayra Barbosa Gonçalves [Currículo Lattes]

Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social – UNICAMP. Mestre pelo Programa de Pós Graduação em Antropologia Social – UNICAMP. Bacharel em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Ingressou em processo de intercâmbio junto à Universidad de Santiago de Compostela, Espanha, no último semestre de 2015 cursando Trabalho Social. Tem experiência na área de Antropologia, Sociologia e Ciência Política, atuando principalmente nos seguintes temas: pós-colonialismo, decolonial, teoria crítica latino-americana, epistemologia aymara, mestiçagem na Bolívia, gênero e feminismo. Compõe o GEA (Grupo de Enfoques Antropológicos) da FFC-UNESP campus de Marília, coordenado pelo professor Andreas Hofbauer. Atualmente é membro do Grupo de Trabalho “Derecho, Clases y Reconfiguración del Capital” junto ao Consejo Latino-americano de Ciencias Sociales (CLACSO). 

Prof. Me. Hugo Allan Matos [Currículo Lattes]

Possui graduação em Licenciatura em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2006) e pela Universidade Metodista de São Paulo (2009). Pós-graduação em Filosofia Contemporânea e História (2009) e Mestrado em Educação (2012). Atualmente é Docente do curso de Filosofia da PUC Campinas e pesquisador da Universidade Federal do ABC, no Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura e na Analética: Instituto de Educação e Cultura. Dedica-se a projetos educacionais e culturais. Experiência de mais de 10 anos na educação formal, EJA, Ensino Fundamental II, Ensino Médio (público e privado) e Ensino Superior. Atua principalmente com as temáticas: Ética, Política, Teoria do Conhecimento, Educação, Estética e Religião.

Código de área do conhecimento (CNPq):

7.00.00.00-0 Ciências Humanas
7.01.05.00-6 Epistemologia

Ementa:

[Aula 1]
Pluriversidades: relações com o eurocentro e a necessária refundação do conhecimento na cultura ocidental

Objetivo:
Desmistificar a fatalidade do dogmatismo eurocêntrico como fundamento do pensamento

Bibliografia:
GOMES, Roberto. A crítica da razão tupiniquim. 10° Ed. São
Paulo, SP: FTD, 1977. http://www.iphi.org.br/sites/filosofia_brasil/Roberto_Gomes_-_Critica_da_Razao_Tupiniquim.pdf


[Aula 2]
Descolonial, decolonial, pós-colonial, neocolonial: visões acerca do contemporâneo, desde aqui

Objetivo:
Trata-se de uma discussão conceitual, metodológica introdutória a uma perspectiva descolonial, áltera desde América Latina.

Bibliografia:
BRAGA, Ruy. CAHEN, Michel. org. Para além do pós (-) colonial. São Paulo: Alameda, 2018. Acesso em: https://joellepalmieri.files.wordpress.com/2018/03/paraalemosdoposcolonial_divulgac3a7c3a3o.pdf


[Aula 3]
Colonialidade do Poder – O Pensamento de Aníbal Quijano

Objetivo:
Repensar as relações com as ciências humanas e sociais a partir de uma perspectiva descolonial.

Bibliografia:
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires:
CLACSO, 2005. Acesso em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf


[Aula 4]
O Desencobrimento do Outro – Teoria do Conhecimento e ciência a partir da alteridade

Objetivo:
Refletir sobre o necessário giro descolonizador desde 1492, mostrando a necessidade da leitura histórica a partir das narrativas e teorias dos oprimidos.

Bibliografia:
DUSSEL, Enrique. 1492. O encobrimento do outro. Petrópolis/RJ: Vozes, 1993. Acesso em: http://www.mel.unir.br/uploads/56565656/arquivos/1492_O_encobremento_do_outro_de_ENRIQUE_DUSSEL_441400838.pdf


[Aula 5]
A mulher descolonizada: a perspectiva epistemológica da interseccionalidade

Objetivo:
Refletir sobre uma perspectiva de feminismo a partir de uma epistemologia da interseccionalidade.

Bibliografia:
GONZÁLEZ, Lélia. Mulher Negra. In: 1695 – 1995 – 300 anos de Zumbi: Falas e Escrituras. Brasília: Informes de distribuição restrita do Senador Darcy Ribeiro, 1994.


[Aula 6]
Redesenhar as genealogias teóricas

Objetivo:
Analisar a crítica ao pensamento cartesiano tomando como proposta epistemológica o pensamento situado do antropólogo colombiano Eduardo Restrepo.

Bibliografia:
RESTREPO, Eduardo. “Descentrando Europa. Aportes de la teoria postcolonial y el giro decolonial
al conocimiento situado” – Revista Latina de Sociologia (RELASO), vol. 6, pp. 60 -71, 2016.


[Aula 7]
Contextos Ameríndios: intelectualidades indígenas em debate.

Objetivo:
Debater a critica de Davi Kopenawa à epistemologia Ocidental percebendo-o como intelectual e base teórica fundamental para a descolonização das Ciências Humanas.

Bibliografia:
KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. “A Queda do Céu: palavras de um xamã yanomami”. – Companhia das Letras, 2015.


[Aula 8]
Educação de(s)colonial: perspectivas a partir da Latino América.

Objetivo:
Abordar a importância da educação para aformação dos novos agentes políticos e sociais que são os cidadãos, de forma a construir uma reflexão que gere emancipação e maioridade de consciência, a fim de promover a libertação das hegemonias.

Bibliografia:
PENNA, Camila. Paulo Freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós colonial latino americana. Revista de Estudos e Pesquisa sobre as Américas, v. 8, n. 2, 2014, p. 181-199. Acesso em: http://periodicos.unb.br/index.php/repam/article/download/16133/14421/.


Cronograma:

Inscrições:
De 12/05/2020 (Terça-feira) a 02/10/2020 (Sexta-feira)

Curso:
De 05/10/2020 (Segunda-feira) a 06/12/2020 (Domingo)

+ info via WhatsApp

+ info via Facebook Messenger

Reservar vaga